decorre

por Davi Raubach

enquanto chover periodicamente, tudo ficará bem.

me paro / com minha camiseta de vários verões / com o chinelo do star wars que minha sogra ganhou por engano e me deu / me encontro com meu corpo envolvido por estes panos / com aquela unha esquisita e estes pelos espalhados / tão diferentes agora de quando semeei pela primeira vez esse olhar / e é tudo como as cordas de nylon velhas do tonante em que colhi minhas primeiras notas / esse é o timbre da minha pele / que continua a mesma

corre contra as notas escritas contra as ditas palavras a alguns gela por outros vela e se consome temendo a mediocridade e a sonoridade de seu corpo contra a ribanceira e agarra as raízes da margem sonha com terra e anseia e continua a correr e com sede e antes que seque quando águas futuras já terão passado